A Liga dos Amigos da Mina de S. Domingos, adiante designada por L.A.M.S.D. é uma colectividade constituída por indivíduos de ambos os sexos, essencialmente de características regionais alentejanas.
        


No Alentejo, em fins de Julho ou princípios de Agosto, o olhar atinge o seu zénite. No horizonte raso e limpo tudo parece pegado à terra: muros, árvores, medas de palha, montes, quando se avistam distantes. Um delírio de luz sobe à cabeça, como a música das cigarras, e faz doer.


As coisas todas estalam como romãs maduras, e ficam cheias de brilhos. Mesmo dentro de casa, com portas e janelas trancadas, a luz entra pelas frestas, entorna-se pelas tijoleiras e reflecte-se, tenuamente rosada, na brancura das paredes. No pátio, uma oculta água ergue-se num repuxo exíguo – e é pura delícia. Cheira a coentros e a queijo seco.


Cheira ao que é da terra e regressa à terra. Um som de guizos, o trote miúdo das mulas, o grito de uma criança, custam a distinguir, de tão longe vêm. Neste longo, ardente verão do sul apenas a cigarras têm modulações, quase não têm fala, mas os seus olhos queimam como duas pedras expostas ao sol durante milhares de dias.


Só eles afirmam que nem tudo no Alentejo nasce e morre acachapado à terra. Eles, e uns pombos bravos que subitamente rasgam o céu, como quem foge ao áspero, ardido, amargo coração do meu país. (…)”

Eugénio de Andrade, Alentejo, Ed. Campo das Letras, 1997


Noticias:


Para comemorar o 2.º aniversário da classificação do Cante como Património Imaterial da Humanidade, a Liga dos Amigos da Mina de São Domingos promoveu em Sacavém, no dia 05 Novembro de 2016, a iniciativa TRIBUTO AO CANTE ALENTEJANO.